+55 (67) 3384-2048
Segunda, 11 de Dezembro de 2017

O coração do brasileiro está em risco. Vamos mudar isso?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, logo seremos os primeiros colocados no ranking de mortes por doenças cardiovasculares

24 OUT 2017Por: Saúde Abril11h18
Contabilidade

O coração é um trabalhador incansável. Bate, em média, 72 vezes por minuto, 104 mil por dia e 38 milhões por ano. Porém, para ter bom desempenho, ele precisa muito de nossa ajuda. É necessário que as pessoas saibam que são elas mesmas as principais responsáveis pela saúde cardíaca. Então, apesar das tentações do mundo de hoje, não podemos nos esquecer da importância dos bons hábitos de vida.

Alimentos ricos em carboidratos, refrigerantes, exagero nas bebidas alcoólicas, além de excesso de itens gordurosos, levam à deposição de gordura no fígado e promovem alterações do metabolismo dos açúcares. Resultado: obesidade e o diabetes, duas das principais causas de infarto e morte precoce por origem cardíaca.

Mas é preciso mais do que ficar de olho na dieta. Fazer exercícios físicos – após avaliação médica – é outra prática que ajuda o coração a trabalhar. Sem falar que auxilia muito no controle da pressão arterial.

O tabagismo (aí falamos de cigarro, cachimbo e charuto), por sua vez, é proibido para o coração. Assim como as drogas ilícitas, que são significativas causas de infarto em pessoas com menos de 40 anos de idade.

A gente sabe, no entanto, que a mudança de estilo de vida nem sempre é fácil: exige disciplina e persistência. Mas vale a pena, porque pode tirar você da lista das 400 mil pessoas que morrem todos os anos no Brasil vitimadas por doenças cardiovasculares.

A Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) estima que ocorram 720 paradas cardíacas por dia em nosso país. Em média, há uma morte a cada minuto e meio.

Dados de um recente estudo da Socesp mostram que, de 2003 a 2015, morreram 14,47 milhões de pessoas no Brasil, sendo 4,11 milhões (ou 28,41%) devido a doenças cardiovasculares. Dentre estas, as doenças isquêmicas do coração, como infarto e angina, foram responsáveis por 1,2 milhão de óbitos; as cerebrovasculares, por 1,26 milhão; e a insuficiência cardíaca, por 782,94 mil.

No Estado de São Paulo, no mesmo período, o total de óbitos foi de 3,36 milhões, sendo 1,01 milhão (ou 30,08%) por doenças cardiovasculares. Dentre estas, as principais causas de morte foram doenças isquêmicas, como infarto e angina (349,33 mil casos), doenças cerebrovasculares (275,58 mil casos) e insuficiência cardíaca (187,82 mil casos).

Cuidar da saúde é uma responsabilidade de todos – com nós próprios, nossas famílias e a sociedade. A vida, este precioso bem que se renova a cada pulsação, merece cuidados permanentes!

Por isso, seria interessante que aceitássemos um desafio como povo: reverter a previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que, em 2024, o Brasil será o primeiro colocado no fatídico ranking de mortes por doenças cardiovasculares. A SOCESP convida cada um para mudar o estilo de vida, evitar essas mortes precoces e fazer do nosso país um campeão da saúde do coração.

*Ibraim Masciarelli Pinto é cardiologista e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP).

Comentários
Veja Também
300x100
canais comunica
300x100 dothshop