Depressão e suicídio são temas do último dia da Jornada de Anestesiologia

O segundo e último dia da Jornada de Anestesiologia contou com uma participação ainda maior de congressistas do que na sexta-feira (5), no hotel Thermas em Mossoró, o que já era previsto pela organização do evento, como revelou o médico Ronaldo Fixina.

As aulas foram divididas em temas mais técnicos no turno da manhã e de interesse geral na parte da tarde, tratando sobre a temática suicídio na classe médica, síndrome de Burnout, demandas judiciais, envelhecimento e déficit cognitivo e a humanização do médico.

Fadiga e estresse entre a categoria médica são sintomas comuns devido a pressão e condições de trabalho. Mas sem a devida atenção e, associado a outros fatores, pode evoluir par a síndrome de Burnout, tema da aula do médico Frederich Marcks (RN).

A síndrome é, de maneira geral, uma fadiga por desempenho de trabalho e frustração nos resultados. Marcks diz que os sintomas são, entre outros, a não identificação com o trabalho. "É uma situação de alienação, por não se reconhecer mais com o que faz ou com o paciente. Passa a culpar o paciente por aquilo que está passando", afirma.

Em Pernambuco, apenas este ano dez médicos cometeram suicídio, sendo quatro deles anestesiologistas. Em Natal, ocorreu um caso de suicido de anestesiologista este ano.

Sandro Soares, que palestrou sobre depressão e suicídio na classe médica, afirma que o médico comete mais suicídios do que a população em geral. E as razões para este ato está na tendência a negar os sintomas de depressão, estresse de natureza pessoal, negligência da família e amigos (por ele ser médico e saber cuidar de si) e por ele saber elaborar esquemas defensivos mais facilmente.

A programação social para encerramento do evento será realizada com a Festa da Alucinação e participação da Banda Sfinge e DJ Filho, a partir das 21h.

Adicionar comentário