+55 (67) 3384-2048
terça, 07 de julho de 2020

Residentes aumentam pressão, e governo promete apresentar novo índice

09 AGO 201000h00
SESCON SINMED
Enquanto a mobilização para a greve dos residentes cresce em todo o País, o Ministério da Saúde acena com possibilidade de apresentar novo índice de correção da bolsa auxílio. O compromisso foi firmado pela secretária executiva da pasta, Márcia Bassit, durante audiência com a direção da ANMR e Comissão Nacional de Greve, na última quinta-feira, em Brasília. Audiência com o ministro José Gomes Temporão está prevista para a próxima semana.

A expectativa é pela confirmação também de encontro com o ministro da Educação, Fernando Haddad. A categoria, que recebe hoje R$ 1.916,45, quer aumento de 38,7%. "Esta é a última chance que damos ao governo antes de deflagrar a paralisação por tempo indeterminado. Nos estados, os médicos residentes estão prontos para lutar por suas reivindicações", avisa Nívio Lemos Moreira Junior, presidente da ANMR. Participou da reunião também Sigisfredo Brenelli, coordenador-geral de Ações Estratégicas de Educação na Saúde.

MEC e Ministério da Saúde chegaram a oferecer reajuste de 17%, menos da metade do reivindicado. A oferta foi imediatamente recusada pelo comando do movimento. Segundo Moreira, a secretária executiva prometeu fazer estudos para apresentar um índice de aumento maior. "Ela disse que avaliará o impacto sobre as contas do governo", esclareceu o presidente.

O cronograma da mobilização previa que seriam buscadas conversações com os dois ministérios. Em final de julho, a associação e a comissão de greve protocolaram pedidos de abertura de negociação e reforçaram a pauta com as áreas do governo. No Encontro nacional de Entidades Médicas, em Brasília, a luta da ANMR teve reconhecimento unânime dos principais dirigentes da categoria médica no Brasil e de Temporão, que também estava na abertura do evento na semana passada.
 
Fonte : SIMERS
Comentários
Veja Também