+55 (67) 3384-2048
sexta, 29 de maio de 2020

Senador Paulo Davim pede atenção ao atendimento médico de urgência

20 OUT 2011Por: Agência Senado08h09
SESCON SINMED
Em pronunciamento pela liderança de seu partido, o senador Paulo Davim (PV-RN) prestou homenagem aos médicos do Brasil pela passagem de seu dia, e manifestou sua satisfação pela realização de audiência pública para a discussão dos problemas do paciente crítico no país. O parlamentar salientou a importância do debate, realizado nesta terça-feira (18) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), por tratar de "problema crônico agudizado" diante das condições precárias dos serviços de saúde.

Paulo Davim, que é médico, chamou a atenção para a situação dos hospitais públicos de urgência no país, o subfinanciamento do sistema, os problemas na política de recursos humanos, as dificuldades na interiorização dos profissionais da saúde e os problemas de gestão do serviço público de saúde.

- Isso tem trazido problemas incomensuráveis para a boa prática médica, para a assistência médica à população, para o atendimento da demanda com qualidade e presteza - afirmou.

Paulo Davim disse que, durante o debate, reiterou sua defesa da regulamentação da Emenda 29, mas sem apoiar a criação de novo imposto para financiamento da saúde. O senador também apoiou o estabelecimento de plano de carreira de Estado para os médicos.

Em aparte, o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) felicitou Paulo Davim pela iniciativa da audiência pública desta terça-feira e defendeu um debate que conduza à regulamentação da Emenda 29.

Atendimento de urgência

Paulo Davim também declarou sua satisfação com a Portaria 2.395 do Ministério da Saúde, publicada em 13 de outubro, que estabelece a estratégia de atuação do ministério na rede de atenção às urgências. Estão incluídos na medida investimentos para aquisição ou adequação de equipamentos e reajuste na diária de leitos de UTI pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

- Há uma política de valorização do atendimento de urgência nos hospitais públicos. Eu vejo que o Ministério da Saúde começa a apresentar e a propor medidas que seguramente melhorarão o atendimento e a atenção ao paciente crítico no Brasil - disse o senador.
Comentários
Veja Também